sábado, 3 de dezembro de 2011

Refrigerantes lights, cítricos e o benzeno

A Pro-teste, órgão de defesa dos direitos do consumidor, testou 24 amostras de refrigerante em laboratório e localizou benzeno, uma substância potencialmente cancerígena, em sete deles, assista ao vídeo abaixo:



Esta contaminação é questão de saúde pública e tem causado significativos protestos entre os defensores do ambiente e da saúde. Níveis de benzeno são regulamentados em água potável a nível nacional e internacional, e na água engarrafada nos Estados Unidos da América, mas apenas informalmente em refrigerantes. Os benzeno resulta da descarboxilação do conservante ácido benzóico na presença de ácido ascórbico (vitamina C) especialmente sob a ação de calor e luz.

As principais marcas de refrigerantes brasileiras se comprometeram a reduzir a quantidade de benzeno nas bebidas cítricas e light, após um termo de ajustamento de conduta (TAC) acertado com o Ministério Público Federal, informou neste sábado a Agência Brasil. O compromisso foi assumido por Coca-Cola, Schincariol e AmBev, responsáveis por cerca do 90% do mercado de refrigerantes no Brasil. O benzeno é considera uma substância cancerígena.

As companhias terão que reduzir num prazo de cinco anos a quantidade do ingrediente a no máximo 5ppb (cinco partes por bilhão ou cinco microgramas por litro), o mesmo nível de tolerância que a legislação estabelece para a água potável. Quem descumprir o TAC terá de pagar multas ou sofrerá outras penalidades. Em 2009, Associação de Consumidores Proteste analisou 24 amostras de diversos refrigerantes e detectou a presença de benzeno em sete delas. O nível mais alto da substância foi encontrado em duas amostras de bebidas cítricas - Fanta Laranja Light (da Coca-Cola) e Sukita Zero (Ambev). Depois da pesquisa, o MPF começou a investigar o caso.

O estudo originou a investigação do Ministério Público. O benzeno, que pode desencadear doenças sanguíneas, é resultado da reação entre os ácidos benzóico e ascórbico. Este último é a vitamina C, que é adicionada nos refrigerantes cítricos. O benzeno se forma mais nos refrigerantes light e diet, uma vez que o açúcar inibe a formação da substância. A substância também está presente na fumaça do cigarro, no escapamento dos automóveis e em alguns produtos industriais como plástico, borracha e detergentes.

O procurador Fernando Martins, responsável pela investigação, explicou que o Ministério Público optou por assinar um acordo de ajustamento de conduta para dar aos fabricantes uma solução rápida ao problema e evitar um processo judicial que poderia se prolongar por anos.

Fontes:

http://veja.abril.com.br/noticia/saude/fabricantes-de-refrigerantes-reduzirao-quantidade-de-benzeno-de-bebidas

http://www.youtube.com/watch?v=wHY16QWqF6o

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Esperança de novos tratamentos contra o câncer

Três cientistas que desvendaram o funcionamento do sistema imunológico vão receber o Nobel de Medicina de outubro de 2011. Os laureados são o luxemburguês Jules Hoffmann, o canadense Ralph Steinman e o norte-americano Bruce Beutler. O anúncio foi feito ontem, em Estocolmo, na Suécia.

O trio transformou a compreensão sobre como o organismo se defende de ameaças, revelando que existem duas linhas de defesa contra vírus, bactérias e outros invasores. Lars Klareskog, presidente da Assembleia do Nobel, disse que as descobertas do trio podem levar a novas vacinas contra infecções, já em desenvolvimento, o que é cada vez mais necessário em decorrência do aumento da resistência dos organismos aos antibióticos.

Espera-se que os princípios descobertos possam conduzir ainda a melhores tratamentos contra o câncer. O princípio é de estimular o próprio sistema imunológico a combater os tumores. Também poderão ser beneficiados pacientes com artrite reumatoide, diabetes, esclerose múltipla e inflamações crônicas.

Beutler e Hoffmann foram citados pela descoberta da primeira linha de defesa. Eles identificaram proteínas que reconhecem bactérias e outros organismos nocivos, ativando o sistema imunológico. Essa é a chamada imunidade inata. “O sistema imunológico inato pode destruir micro-organismos infecciosos e provocar uma inflamação que contribui para bloquear o ataque antes do surgimento de anticorpos”, explicou o comitê do Nobel.

Steinman revelou o segundo recurso do sistema de defesa, a imunidade adaptativa, acionada quando a primeira linha não é suficiente. Ele descobriu as células dendríticas, gatilho de uma reação na qual os micro-organismos são eliminados e anticorpos são criados. Steinman mostrou que as células conservam a memória do agressor.

O que revelaram as pesquisas premiadas com o Nobel de Medicina deste ano:

O sistema imunológico
A infecção por micro-organismos causadores de doenças - como bactérias, vírus, parasitas ou fungos — aciona uma resposta imunológica. Ela ocorre em um processo de duas etapas: a imunidade inata e a subsequente imunidade adaptativa.

:: Imunidade inata
Partes dos micro-organismos se ligam a receptores existentes em muitas células do corpo. Isso ativa a imunidade inata, que produz uma inflamação e a destruição dos micro-organismos invasores.

:: Imunidade adaptativa
As célulasa dentríticas ativam os linfócitos T, que dão início à imunidade adaptativa. Uma cascata de reações imunológicas ocorre, com a formação de anticorpos e de células que matam os invasores.

Fontes: http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jsp?uf=1&local=1&newsID=a3513038.xml&channel=13&tipo=1&section=Geral

http://www.dpnet.com.br/mundo/nota.asp?materia=20111003083344

http://www.sobrecancro.com/descoberta-ganhou-nobel-medicina-pode-conduzir-novos-tratamentos-contra-cancer-g356168514

domingo, 2 de outubro de 2011

O Câncer de colo de útero, o que você precisa saber?

Em 2008, o médico alemão Harald zur Hausen foi laureado com o prêmio Nobel de Medicina por descobrir que o HPV (papilomavírus humano) causa o câncer de colo do útero, segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres.

A descoberta de Hausen, 74 anos, salvou a vida de milhares de mulheres. A partir dela, foi possível identificar os tipos de HPV responsáveis por 70% dos casos câncer de colo do útero e desenvolver uma vacina que previne o aparecimento dos subtipos que causam câncer. Mas o número de vidas salvas poderia ser muito maior, diz o médico. “Se há intenção de erradicar esse vírus, é preciso realizar um programa global de vacinação."                                                                   Zur Hausen, descobriu o HPV

Segundo ele, o grande problema, porém, é o preço elevado da vacina. “É extremamente cara”, critica. Para que seja eficaz, é preciso que sejam aplicadas três doses, antes do início da atividade sexual. Nos Estados Unidos, cada dose custa, em média, 120 dólares. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda não disponibiliza a vacina para a população. Por enquanto, as brasileiras precisam realizar anualmente o exame papanicolau, capaz de detectar as lesões.

Apesar de ser conhecido por causar câncer de colo do útero, o HPV também pode atingir os homens, causando câncer de pênis, além de tumores no ânus, boca e faringe. Hausen esteve em São Paulo para a inauguração do Centro de Pesquisas em Oncologia do Hospital A.C Camargo e concedeu entrevista a VEJA.com.

Qual é a gravidade do HPV (papilomavírus humano)?
É uma infecção muito séria, mas pode confundir porque o paciente nem sempre apresenta sintomas e pode não saber que está infectado. Passam-se entre 10 e 15 anos até que a lesão se transforme em um tumor. Inicialmente, não é uma infecção muito grave e, em grande parte dos casos, é possível lidar com isso sozinho, já que o sistema imunológico elimina o HPV naturalmente. Porém, 10% das mulheres têm um risco maior de desenvolver câncer do colo de útero mais tarde.

Sabemos que o câncer de colo do útero pode ser prevenido, mas por que não houve uma redução no número de casos em países em desenvolvimento nas últimas três décadas? São dois grandes problemas. O primeiro é que os países mais pobres não possuem um sistema eficaz de prevenção. Como as lesões não são diagnosticadas e nem removidas, há um aumento significante de 70 a 80% de chances de desenvolvimento do câncer. O segundo motivo recai sobre o preço elevado das vacinas. Muitos países em desenvolvimento não conseguem proporcionar essa opção para a população por conta do alto custo.

O que é colo do útero?
É a parte do útero localizada no final da vagina. Por localizar-se entre os órgãos externos e internos, fica mais exposto ao risco de contrais doenças.

O CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E O HPV

O HPV é um vírus transmitido pelo contato sexual que afeta a área genital tanto de homens como de mulheres.

O HPV é uma família de vírus com mais de 80 tipos. Enquanto alguns deles causam apenas verrugas comuns no corpo, outros infectam a região genital, podendo ocasionar lesões que, se não tratadas, se transformam em câncer de colo do útero.

Uma das características desse vírus é que ele pode ficar instalado no corpo por muito tempo sem se manifestar, entrando em ação em determinadas situações, como na gravidez ou em uma fase de estresse, quando a defesa do organismo fica abalada.

Na maior parte das vezes a infecção pelo HPV não apresenta sintomas. A mulher tanto pode sentir uma leve coceira, ter dor durante a relação sexual ou notar um corrimento. O mais comum é ela não perceber qualquer alteração em seu corpo.

Geralmente, essa infecção não resulta em câncer, mas é comprovado que 99% das mulheres que têm câncerEm seus estágios iniciais as doenças causadas pelo HPV podem ser tratadas com sucesso em cerca de 90% dos casos, impedindo que a paciente tenha maiores complicações no futuro.

Portanto, a melhor arma contra o HPV é a prevenção e fazer o diagnóstico o quanto antes.
 do colo uterino foram antes infectadas por esse vírus.

Sintomas do câncer de colo de útero


O câncer ovariano é silencioso - portanto, leia com atenção:

Atente para qualquer dor ou desconforto pélvico ou abdominal, vagos mas persistentes problemas gastrointestinais como gases, náuseas e indigestões;

Vontade de urinar freqüente e/ou urgente, sem que tenha alguma infecção;

Perda ou ganho de peso inexplicável;

Pelve ou abdomen inchados, entumescidos e/ou com sensação de cheio, cansaço anormal, ou mudanças inexplicáveis dos seus hábitos intestinais.

Se esses sintomas persistirem por mais de duas semanas, peça a seu médico uma combinação de exames pélvico/retal ,exame de sangue CA-125 e ultrassom transvaginal.

O exame de Papanicolau NÃO detecta câncer ovariano.

Ah! Aproveite para pedir a Deus pelas mulheres que estão com essa terrível doença.
 
Passem aos homens, todos tem ou tiveram uma mulher em suas vidas...
 
 
 
 
 
 

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Tinta utilizada em tatuagem também causa câncer

Reduzir Normal Aumentar Imprimir Telefones celulares, bebidas alcoolicas, formol, todos foram colocados como possíveis causadores de câncer. Ao que tudo indica, mais um item poderá entrar na lista dos elementos câncerígenos. Tintas usadas para fazer tatuagens podem ter substâncias químicas tóxicas causadoras de tumores.

A Food and Drug Administration (FDA), orgão americano responsável por fazer o controle de alimentos, medicamentos e cosméticos iniciou uma pesquisa para descobrir se há substâncias câncerígenas na tinta. Estudos publicados recentemente descobriram que as tintas podem conter uma série de substâncias duvidosas, incluindo alguns ftalatos, metais e hidrocarbonetos que são cancerígenos e desreguladores endócrinos.

Um produto químico usado para fazer a tinta de tatuagem preta chamada benzopireno é conhecido por ser um cancerígeno potente para a pele de animais. Tintas coloridas, muitas vezes contêm cádmio, chumbo, cromo, níquel, titânio e outros metais pesados que podem provocar alergias ou doenças, dizem cientistas.

Agora, a FDA lançou uma investigação sobre a segurança a longo prazo das tintas, incluindo o que acontece quando elas se quebram no corpo ou desaparecer de exposição à luz.


http://saude.terra.com.br/noticias/0,,OI5326655-EI16560,00-Tinta+usada+em+tatuagem+pode+entrar+na+lista+de+cancerigenos.html

 

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

TNBC - TRIPLE NEGATIVE BREAST CANCER - CANCER DE MAMA TRIPLO-NEGATIVO

Um estudo de coorte de 1.601 pacientes com câncer de mama, diagnosticados entre janeiro de 1987 e dezembro de 1997 no Hospital da Mulher College, em Toronto. Cânceres de mama triplo-negativo foram definidos como aqueles que foram receptor de estrogênio receptor negativo, progesterona negativo, e HER2 negativo. Concluíram que câncer de mama triplo-negativos têm um curso clínico mais agressivo do que outras formas de câncer de mama, mas o efeito adverso é transitório.

Até agora, a investigação tem firmemente estabelecido que pelo menos cinco subtipos de câncer de mama existe, cada um com diferentes características biológicas, os resultados clínicos e as respostas às terapias tradicionais.



Ela decorre da hiperatividade de um gene chamado LRP6 (lipoproteína de baixa densidade de proteína receptor-relacionados 6), que estimula uma via de crescimento celular, importante sinalização. LRP6 can be inhibited by a protein discovered in the same laboratory, which could become an effective drug against the breast cancer type, the researchers say.

"Nós encontramos a expressão aumentada do gene LRP6 em cerca de um quarto das amostras de câncer de mama que examinamos, e pensamos LRP6 superexpressão poderia ser um marcador para uma nova classe de câncer de mama", diz Guojun Bu, Ph.D., professor de pediatria e de biologia celular e fisiologia.

Além disso, descobrimos que este biomarcador é freqüentemente associada com câncer de mama que, ou são mais difíceis de tratar ou mais susceptíveis de se repetirem. Nós já temos um agente que parece ser eficaz contra LRP6-superexpressão de tumores, o que poderia um dia se tornar uma terapia para tumores.

Portanto, o triplo-negativos de câncer de mama não respondem à terapia hormonal (como o tamoxifeno ou inibidores da aromatase) ou terapias que visam HER2 receptores, como o Herceptin (nome químico: trastuzumab). Cerca de 10-20% dos cânceres de mama - mais do que um em cada 10 - são encontrados para ser triplo-negativo. Para os médicos e pesquisadores, lá é interesse intenso na busca de novos medicamentos que podem tratar este tipo de câncer de mama. Os primeiros estudos estão tentando descobrir se determinados medicamentos podem interferir com os processos que causam triplo-negativo para o crescimento do câncer de mama.

Os testes com o iniparib na fase três fracassaram, mas estão buscando uma explicação do porque que essa nova droga também fracassou depois de ter passado com tanto sucesso na fase 2 de testes de acordo com os pesquisadores.



FONTES:


http://clincancerres.aacrjournals.org/content/13/15/4429.short

http://www.mcgill.ca/cancergenetics/sites/mcgill.ca.cancergenetics/files/nejm_review_triple-negative_breast_cancer_foulkes.pdf


http://www.tnbcfoundation.org/


http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&tl=pt&u=http%3A%2F%2Fwww.breastcancer.org%2Fsymptoms%2Fdiagnosis%2Ftrip_neg%2F&anno=2


medscap

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Formol pode causar câncer nas vias respiratórias

Agência norte-americana alerta para sério risco da exposição ao produto usado nas escovas progressivas

POR PÂMELA OLIVEIRA
Rio - A busca por cabelos lisos pode acabar de forma trágica e dolorosa. O formol — usado ilegalmente no Brasil como alisante em escovas progressivas e outros tratamentos capilares — é cancerígeno. Ou seja, é capaz de alterar as células e levar à formação de tumores, principalmente nas vias respiratórias (áreas da garganta e nariz). O alerta foi feito ontem pelo FDA, órgão americano que regulamenta remédios e alimentos (http://www.fda.gov/).
Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), clientes e cabeleireiros que usam formol correm risco de desenvolver a doença. “O câncer precisa de um agente indutor e o formol é comprovadamente cancerígeno. A principal via de absorção é através da respiração”, explica Ubirani Otero, chefe da área de câncer ocupacional do Inca.
De acordo com ela, alguém que se submete ao alisamento com formol uma vez pode desenvolver este tipo de câncer até 20 anos depois. “Depende de diversos fatores, como a frequência de exposição, a intensidade e a suscetibilidade de cada um”, diz, acrescentando que há evidências de câncer de nasofaringe por uso de formol, além de estudos que relacionam a substância a tumores de pulmão e leucemias.
Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o uso do formol é permitido em cosméticos como conservante, na concentração de 0,2% — cerca de 4 gotas em cada 100 ml de cosmético. “Mas cabeleireiros adicionam formol em produtos prontos. E ninguém, nem eles, têm controle da quantidade colocada. Certamente é muito maior do que a permitida, que não é capaz de alisar”, diz Érica França, especialista em cosméticos da Anvisa. A informação é confirmada por cabeler eiros. “Eu colocava uma tampinha (de álcool) de formol em cada 100 ml. Menos que isso não alisa o cabelo”, afirma uma profissional.
Profissionais de salões são os que correm mais perigo
Os clientes que se submetem ao alisamento com formol não são os únicos que correm risco de desenvolver câncer devido ao produto. Profissionais de salões de beleza são ainda mais expostos ao risco, de acordo com a médica Ubirani Otero, do Inca.
“Os profissionais, que aplicam o produto em diversos clientes, aspiram o vapor com mais frequência. Esse é um problema de saúde pública importante, principalmente no Brasil, que está adotando a cultura do cabelo liso. Clientes e profissionais correm risco”, alerta Ubirani, acrescentando que geralmente os locais sã o fechados e o cheiro do produto fica impregnado.
A médica faz um alerta às mães para que não submetam seus filhos ao risco. “Muita levam crianças e dizem que elas aguentam o cheiro. É um crime. Essa criança corre risco de ter câncer ainda mais cedo do que os demais, já que a exposição foi mais cedo”.
A adição de formol em produtos é crime sujeito a punição de 15 anos de prisão.
http://odia.terra.com.br/portal/cienciaesaude/html/2011/6/formol_pode_causar_cancer_nas_vias_respiratorias_171070.html
Departamento de Saúde dos EUA classifica o formol como cancerígeno
Rio - O governo dos EUA emitiu um alerta classificando oito produtos químicos como cancerígenos. O composto que gerou a maior preocupação foi o formaldeído, - base do formol, encontrado em produtos para cabelos, esmalmentes, tintas, espuma de isolamento, entre outros produtos. Estudos em humanos demonstraram que a exposição ao formol pode causar câncer, incluindo câncer de garganta e leucemia mielóide.
Outro composto que inclui a lista de cancerígenos é o Estireno, conhecido como benzina de vinil, encontrado no isopor e utlizado no processo de fabricação de copos de plástico e papel. As informações são da rede americana ABC News.
Também figuram na lista de cancerígenos, os ácido Aristolóquico, encontrado e alguns t ipos de ervas; o Captafol, tipo de fungicida utilizado per agricultores; Carboneto de tungstênio-cobalto (em pó e em metal duro), utilizado na fabricação de metal duro; Orto-nitrotolueno, usado em tintas sintéticas, tais como magenta e vários corantes de enxofre para tecidos e o Riddelliine, encontrado em algumas plantas não são utilizados para a alimentação.
O relatório que atestou os compostos como cancerígenos é feito a cada dois anos pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA
http://odia.terra.com.br/portal/cienciaesaude/html/2011/6/departamento_de_saude_dos_eua_classifica_o_formol_como_

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Falando sobre o celular

A epidemiologista Devra Davis lidera uma cruzada para fazer as pessoas deixarem o celular longe de suas cabeças. Convencida de que a radiação emitida pelo aparelho lesa a saúde, ela escreveu "Disconnect" (sem edição no Brasil), cuja base são pesquisas que começam a mostrar os efeitos dessa radiação no organismo. Nesta entrevista, ela também perguntou: "Vamos esperar as mortes começarem antes de mudar a relação com o celular?".
Folha - Quais os riscos para a saúde de quem usa celular? Devra Davis - Se você segurá-lo perto da cabeça ou do corpo, há muitos riscos de danos. Todos os celulares têm alertas sobre isso. As fabricantes sabem que não é seguro. Os limites [de radiação] definidos pelo FCC [que controla as comunicações nos EUA] são excedidos se você deixa o celular no bolso.

Quais os riscos, exatamente?

O risco de câncer é muito real, e as provas disso vão se avolumar se as pessoas não mudarem a maneira como usam os telefones. Trabalhei nas pesquisas sobre fumo passivo e amianto. Fiquei horrorizada ao perceber que só tomamos atitude depois de provas incontestáveis de que danificavam a saúde.

Reconheço que não temos provas conclusivas nesse momento. Escrevi o livro na esperança de que meu status como cientista tenha peso, e as pessoas entendam que há ameaça grave à saúde e podemos fazer algo a respeito.
Mas há estudo em humanos que dê provas categóricas?

Quando você diz "provas", você quer dizer cadáveres? Você acha que só devemos agir quando já tivermos prova? Terei que discordar.

Hoje temos uma epidemia mundial de doenças ligadas ao fumo. O Brasil também tem uma epidemia de doenças relacionadas ao amianto. Só recentemente vocês agiram para controlar o amianto no Brasil, apesar de ele ainda ser usado.
 
Ninguém vai dizer que nós esperamos o tempo certo para agir contra o tabaco ou o amianto. Estou colocando minha reputação científica em risco, dizendo: temos evidências fortes em pesquisas feitas em laboratório mostrando que essa radiação danifica células vivas.




Qual a maior evidência disso?

A radiação enfraquece o esperma. Sabemos por pesquisas com humanos. As amostras de esperma foram dividas ao meio. Uma metade foi mantida sozinha, morrendo naturalmente. A outra foi exposta a radiação de celulares e morreu três vezes mais rápido. Homens que usam celulares por quatro horas ao dia têm a metade da contagem de esperma em relação aos demais.

Crianças correm mais perigo?

O crânio das crianças é mais fino, seus cérebros estão se desenvolvendo. A radiação do celular penetra duas vezes mais. E a medula óssea de uma criança absorve dez vezes mais radiação das micro-ondas do celular. É uma bomba-relógio. A França tornou ilegal vender celular voltado às crianças. Nos EUA, temos comerciais encorajando celular para crianças. É terrível. Fico horrorizada com a tendência de as pessoas darem celulares para bebês e crianças brincarem. Sabemos que pode haver um vício no estímulo causado pela radiação de micro-ondas. Ela estimula receptores de opioides no cérebro.

Jovens usam muitos gadgets que emitem radiação.

Sim, e eles não estão a par dos alertas que vêm com esses aparelhos. Não é para manter um notebook ligado perto do corpo. As empresas colocam os avisos em letras miúdas para reduzir sua responsabilidade quando as pessoas ficarem doentes.

É possível comparar a radiação de celular à fumaça?

Sim. O tabaco é um risco maior. Mas nunca tivemos 100% da população fumando. Agora, temos 100% das pessoas usando celular. Então, ainda que o risco relativo não seja tão grande, o impacto pode ser devastador.
 
Nos maços de cigarro, há aquelas fotos horríveis. Esse é o caminho para o celular?


Isso é o que foi proposto no Estado do Maine (EUA). Está se formando um grande movimento para alertar as pessoas a respeito dos celulares. Isso é o que aconteceu com o fumo passivo. Vamos começar a ver limites para a maneira e os locais onde as pessoas usam celular. A maioria não sabe que, se você está tentado conversar num celular em um elevador, a radiação está rebatendo nas paredes e fica mais intensa em você e em quem estiver perto.



Além de usar fones, o que é possível fazer para prevenir?

Enviar mensagens de texto é mais seguro do que falar. Ficar com o celular nas mãos, longe do corpo, é bom, e mantê-lo desligado também.
Mas celular é um vício!

Sim. Temos que usá-lo de forma mais inteligente.

Agora a ONU também se manifestou sobre essas pesquisas que estão sendo divulgadas sobre o uso do celular e o câncer de cérebro. É um alerta para nós não dependermos tanto dos celulares, procurar evitar o que for possível.

sábado, 7 de maio de 2011

Câncer: uma doença de tempos muito remotos

Durante as escavações de uma colina de sepultamento na região russa de Tuva, há aproximadamente dez anos, os arqueólogos literalmente encontraram ouro. Encurvados no chão de uma sala interna havia dois esqueletos, um homem e uma mulher, cercados por indumentárias reais de 27 séculos atrás: toucas e mantos adornados com imagens de ouro de cavalos, panteras e outros animais sagrados.


Mas para os paleopatologistas — estudiosos de doenças antigas –, o tesouro mais rico era a abundância de tumores em praticamente todos os ossos do corpo masculino. O diagnóstico: o caso de câncer na próstata mais antigo de que se tem notícia.

A próstata em si já havia se desintegrado há muito tempo. Porém, células malignas da glândula haviam migrado seguindo um padrão familiar, deixando cicatrizes identificáveis. Proteínas extraídas do osso testaram positivo para PSA (sigla em inglês para antígeno prostático específico).

"Não existem razões para achar que o câncer é uma doença nova", disse Robert A. Weinberg, um pesquisador de câncer do Instituto Whitehead de Pesquisa Biomédica, em Cambridge, Massachusetts, e autor do livro didático "A Biologia do Câncer". "Em tempos passados, a doença era menos comum porque as pessoas acabavam morrendo cedo, por outros motivos".


Outra consideração, segundo ele, é a revolução na tecnologia médica: "Hoje, nós diagnosticamos muitos cânceres, como de mama e de próstata, que, em épocas passadas, teriam passado despercebidos e sido levados ao túmulo quando a pessoa morresse de outras causas, não relacionadas".

Ao longo dos anos, centenas de múmias egípcias e sulamericanas geraram alguns outros casos. Um raro tumor, chamado rabdomiosarcoma, foi encontrado no rosto de uma criança chilena que viveu em algum ponto entre 300 e 600 d.C.

Zimmerman, co-autor da recente revisão, descobriu um carcinoma retal numa múmia do período entre 200 e 400 d.C., e ele confirmou o diagnóstico com uma análise microscópica do tecido _ a primeira, segundo ele, na paleopatologia egípcia.
Vou repetir aqui a minha primeira postaegm deste Blog quando coloquei uma parte de minha monografia de conclusão de curso que me rendeu o prêmio de segundo colocado acadêmico na Associação Brasileira de Recursos Humanos no meu Estado aqui no Brasil:

A mais antiga evidência de câncer remonta a 8.000 a.C. O tipo mais comum de neoplasia encontrada em fósseis, e ainda assim raramente, é o osteossarcoma, um tipo de câncer ósseo. As primeiras descrições de tumores foram encontradas em papiros do Egito, e datam de 1.600 a.C. Existem também documentos na Índia, de 600 a.C., que descrevem lesões na cavidade bucal parecidas com câncer. O que fundamenta a teoria é que, por estudos arqueológicos, sabe-se que aquela população consumia sementes que são cancerígenas, mesmo assim ainda precisam de muitos estudos para serem comprovadas essas teorias (EGGERS, 2002).


Foi Hipócrates quem criou a palavra "câncer", e usou os termos "carcinos" e "carcinoma" para descrever certos tipos de tumores. Em grego, significa "caranguejo", pelo aspecto do tumor, pois, as projeções e vasos sanguíneos ao seu redor fazem lembrar as patas do crustáceo (EGGERS, 2002). A paleopatologista Sabine Eggers (2002) afirma que analisando pela teoria, o câncer, pelo que se sabe hoje, é resultado de mutação genética. Como, desde o início da vida houve mutação, é razoável imaginar que a doença sempre existiu.
EGGERS, S. A História do Câncer em Direção à Cura. Revista Hands. n. 10. jun/ jul, 2002.

ZAVARIZ, Andreia. Análise da distribuição epidemiológica do câncer de mama nos municípios de vitória e vila velha- ES. Universidade Federal do Espírito Santo. 2003.
 
http://institutohealtho.wordpress.com/2011/01/09/cancer-identificado-em-descobertas-pre-historicos-geram-debate-acirrado-sobre-a-doenca/

sábado, 16 de abril de 2011

Nanopartículas e nanotecnologia, uma realidade e um perigo

Quando começaram a fazer pequisas para utilizar as nanopartículas contra doenças como o câncer, conforme os pesquisadores da Rice University. Segundo eles, as nanobolhas estouram as células cancerosas e servirão, segundo os estudiosos para destruir as células doentes antes que a doença se espalhe pelo organismo. “Nanobubbles” destroem qualquer bloqueio de gordura existente em nossas artérias.
Um dos testes realizados com a bolha contou com anticorpos, que encontraram as células doentes e as destruíram, sem lesionar as saudáveis. Uma equipa de investigadores do Instituto Nacional de Engenharia Biomédica (INEB) publicou recentemente um artigo que descreve uma técnica capaz de reduzir substancialmente o tempo necessário ao desenvolvimento de nanopartículas terapêuticas.
Em outro estudo, segundo Ana Paula Pêgo, coordenadora do projecto, explicou ao «Ciência Hoje», o trabalho foi desenvolvido para terapia génica – procedimento médico que envolve a modificação genética de células como forma de tratar doenças –, em órgãos do sistema nervoso, “embora a técnica possa ser extrapolada para outras situações, como a entrega de drogas, em farmacologia, na medicina interna, nomeadamente no tratamento do cancro”.
“O grande objectivo da medicina actual é encontrar e utilizar tratamentos diferenciados de acordo com as doenças e os pacientes, ou seja, desenvolver substâncias capazes de atingir exclusivamente as células que se querem tratar e tentamos fazer isso mesmo – criar nanopartículas com entrega específica em células-alvo, de forma a tornar o processo de optimização mais rápido”, prosseguiu a investigadora do INEB.
 Ainda não tínhamos idéia do que estava para acontecer, segundo pesquisas mais atuais as nanopartículas podem ser perigosas para a saúde.

Cientistas suíços se alarmam, mas seus resultados são colocados em dúvida por outros estudos. As autoridades suíças adiaram a publicação de uma estratégia para essa área.
Mais de dois milhões de toneladas de dióxido de titânio nomométrico (nano-TiO2) são produzidos no mundo, todo ano. Utilizado como pigmento e para opacificar, esse nanomaterial entra na composição de tintas, cosméticos, protetores solares, remédios, pasta dental, colorantes alimentares e numerosos outros produtos de uso corrente, segundo artigo da agência suíça ATS, dedicado a uma publicação de pesquisadores suíços.
Pesquisadores do Departamento de Bioquímica da Universidade de Lausanne (UNIL, oeste) , da Universidade de Orléans (França) e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), estudaram as inflamações causadas pelo nano-TIO2. Eles o testaram em células humanas e em ratos de laboratório.
Segundo os resultados, as nanopartículas de TiO2 produzem efeitos similares aos de outros dois irritantes ambientais bem conhecidos, o amianto e o silício. Como eles, elas ativam o inflamasoma NLRP3 – um complexo multiproteico provocando uma reação inflamatória – e uma produção de derivados reativos de oxigênio, moléculas tóxicas capazes de atacar o ADN, as proteínas e as membranas celulares.
“Da mesma maneira que o amianto, você acumula partículas de titânio nanométrico nos pulmões”, explica Jürg Tschopp, responsável pela pesquisa e professor de química biológica na Universidade de Lausanne, questionado por swissinfo.ch. “Meu receio é que essas partículas se tornem o amianto do futuro”, acrescenta Tschopp, vencedor do Prêmio Louis-Jeantet 2008 de medicina. “Há 40 anos, estávamos no mesmo ponto com o amianto. Havia indícios do perigo de provocar câncer, mas os dados não eram significativos”, lembra o pesquisador.

“Atualmente, não podemos excluir que as nanopartículas também sejam perigosas como o amianto”. Mas Jürg Tschopp admite que ele mesmo não deixará de usar creme solar nem de escovar os dentes com um dentifrício.
Mas será preciso, de acordo come ele, que esse tema entre na agenda política, que seja elaborado um regulamento e que sejam reforçadas as precauções. “Para evitar a mesma catástrofe que a do amianto, será necessário questionar até onde podemos renunciar às nanopartículas.
" É simplesmente impossível comparar a nanotecnologia com o amianto. É uma aberração."
Peter Gehr, PNR "nanomateriais" Nem sempre "nano"

A seguradora de acidentes Suva acompanha a questão de perto. “As nanopartículas não devem se tornar o amianto de amanhã”, indica a seguradora. Hoje ainda, 100 pessoas por ano morrem em consequência de sua exposição ao amianto, material que foi proibido na Suíça em 1990.
Quanto aos consumidores, o novo estudo é visto com bons olhos. “É importante ressaltar que o estudo aborda a toxicidade das nanopartículas de dióxido de titânio”, explica Huma Khamis, da Federação de Consumidores da Suíça francesa (FRC). Ora, estas não são sempre utilizadas na forma nanométrica nos produtos de grande consumo.”
A FRC pondera que “os cremes solares constituem uma exceção, embora os perigos potenciais de uma exposição ao sol sem protetor são maiores. É um grande dilema” opina Huma Khamis.
Segundo o relatório 2010 sobre as nanotecnologias na Suíça, o governo federal teve um papel pioneiro na Suíça na ciência do infinitamente pequeno, descobrindo seu potencial muito cedo.
Um relatório federal estratégico foi publicado em 2008. Um segundo relatório é aguardado desde novembro. Em dezembro passado, o Programa Nacional de Pesquisa “oportunidades e riscos dos nanomateriais” foi lançado, com 18 pesquisas separadas.
Peter Gehr, presidente do comitê de direção do PNR é muito crítico do estudo publicado no PNAS. “É simplesmente impossível comparar a nanotecnologia com o amianto. É uma aberração”, denuncia.
“Partir de uma reação celular aguda e deduzir que isso pode provocar câncer é simplesmente uma loucura”, diz esse especialista em pulmões e professor de anatomia. Peter Gehr admite, no entanto, uma grande “distância” entre nossos conhecimentos acerca de uma exposição crônica às nanopartículas e os efeitos a longo prazo sobre os humanos e o meio ambiente.
“É verdade, muitas questões ainda não têm resposta”, diz Huma Khamis. “Por exemplo, como evoluem as nanopartículas nos produtos, será que elas formam moléculas maiores?”
Outro problema para os consumidores : hoje é impossível saber se um produto contém nanopartículas ou não. O relatório anunciado para novembro deveria esclarecer certos produtos e poderia exigir que alguns sejam retirados do mercado, estima Huma Khamis.

http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=48453&op=all
http://www.blogdasaude.com.br/saude-fisica/2010/02/11/nanotecnologia-contra-o-cancer-%E2%80%93-descoberta-que-vale-ouro/

http://www.swissinfo.ch/por/reportagens/Nanoparticulas_suscitam_temores_para_a_saude.html?cid=29434036

sábado, 5 de março de 2011

Licopeno e as frutas vermelhas

Na praça, na feira-livre e no laboratório de pesquisas. A melancia é uma fonte de vida fresca e doce. No corte afiado, mãos delicadas revelam mais um avanço científico. Em um laboratório da Universidade de Campinas (Unicamp), a engenheira de alimentos Kathleen Fullin acaba de descobrir novas fórmulas extraídas da generosa fruta, que brota nas quatro estações das terras brasileiras. Além de gostosa, o que ela tem? Madura, viva, cor de sangue. Sangue novo, capaz de proteger milhões de células!


"Esse vermelho é exatamente o licopeno!", conta Katlhleen.

Encontrado nos frutos vermelhos, o licopeno é cada vez mais admirado pela ciência. Pode ser na melancia, no tomate. O licopeno é mais do que uma dose de esperança. Por que será?

"Ele atua no combate aos radicais livres. É bem interessante para prevenção de câncer, especialmente o câncer de próstata", revela a pesquisadora. “Experimentei com iogurte natural, sorvete de morango, iogurte de frutas vermelhas. É possível aplicar licopeno não só em produtos com o gosto característico da melancia como também em papinha de bebê.”
"Todo paciente é um agente da sua própria cura", comenta a empresária Clarice Shein, enquanto saboreia sua sopinha de tomate.

Clarice provou e gostou. Ela, agora, testa o tomate como remédio no tratamento do câncer de mama.

"Eu precisava reforçar meu organismo porque sabia que passaria por uma cirurgia e, depois, por uma quimioterapia. Eu tive que fazer a retirada total da mama", conta a paciente. "Senti muitas mudanças. Meu cabelo cresceu muito rápido. Haviam me dito que levaria quatro meses depois da última quimioterapia para que ele começasse crescer, e eu já cortei duas vezes. Não tive enjôo, não tive nada", afirma.

Conforme pesquisei, tomate, goiaba, melancia: contêm licopeno, substância antioxidante responsável pela coloração vermelha desses alimentos. Estudos comprovam a ação do licopeno na prevenção do câncer de próstata.

Melancias são extremamente baixos em calorias, contendo água mais de 90%, mas o seu conteúdo em vitaminas e antioxidantes é nada menos que incrível!


Eles são excelentes fontes de vitamina C e A devido ao beta caroteno. Melancias vermelhas são altas fontes de licopeno (antioxidante) como o tomate.
No organismo humano o licopeno se deposita principalmente no fígado, próstata e tecido adiposo. Tendo um tropismo especial pela próstata e mama - rica em tecido gorduroso, com efeito comprovado, tanto na prevenção como auxiliar no tratamento do câncer de mama e próstata.
O licopeno é o antioxidante mais poderoso que existe, sendo de 20-30 vezes mais potente que qualquer outro até o momento conhecido. Ele protege as proteínas, ácidos graxos essenciais, colesterol LDL, DNA e todas as células do corpo contra a ação dos radicais livres.

O licopeno protege as artérias contra a formação de placas ateromatosas, em decorrência de sua ação no colesterol LDL, prevenindo por conseqüência a doença coronariana e a aterosclerose cerebral.

A melhor fonte de licopeno é o tomate, muito bem maduro, aquele normalmente usado para fazer molho. Quando aquecido o licopeno do tomate é melhor absorvido. Sua absorção melhora ainda mais quando combinado a uma pequena quantidade de gordura monoinsaturada, como a do azeite extra virgem.

Benefícios
• Excelente antioxidante;

• Auxilia na prevenção do câncer de mama;

• Auxilia na prevenção do câncer de próstata;

• Auxilia na prevenção do câncer de pulmão, em não fumantes;

• Auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares;

• Auxilia na prevenção da aterosclerose cerebral;

Prevenir com o que temos em nossa própria mesa é uma questão de escolha de como se alimentar e evitar doenças como o câncer.
 
Fontes:

http://mundoverde.com.br/blog/2010/04/08/dia-mundial-do-combate-ao-cancer/
 
http://grep.globo.com/TVGlobo/Jornalismo/Semanal/globoreporter/CDA/pops/tvg_cmp_globoreporter_imprimir/0,20212,4375-3-68576,00.html
 
http://www.artigonal.com/biologia-artigos/principios-e-fundamentos-do-licopeno-lycopersicon-esculentum-e-sua-acao-no-combate-aos-radicais-livres-e-o-cancer-de-prostata-3724335.html
 
http://www.suplementosaudeonline.com.br/Qualidade/licopeno.htm

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O fim dos cigarros até 2050: uma realidade que buscamos e queremos

O fumo é um produto que deve ser retirado do mercado pois não trás nenum benefício para o homem e apenas prejudica a quem está por perto, inclusive fica impregnado nas paredes de quem vai alugar um apartamento de um fumante por exemplo, um fumante passivo, ou seja que não fuma e sofre conseguências de outro de fuma sofre também as conseguências de quem tem esse vício, levando lentamente á formaçao de tumores no pulmão, e pos ser sem sintomas no início só aparece quando já está bem evoluído nos pulmões. Li essa notícia que fala sobre o futuro fim dos cigarros até 2050 e resolvi colocar aqui por que gostaria, espero e tenho a pretensão de informar a todos que acompanham e leem de vez em quando que vão ver pela primeira vez a necessidade de se exterminar de vez esse mal que o homem criou e na sua inconseguência pensando apenas no dinheiro não se preocupa com a saú de e qualidade de vida de seus semelhantes.

veja o artigo abaixo:

Hoje é difícil de imaginar, mas, segundo uma análise recente baseada em tendências de tabagismo e preços de cigarros nos últimos 50 anos, o uso generalizado do cigarro pode se extinguir até 2050.
Ambos os fatores culturais e econômicos conduzirão à extinção de cigarros. Muitos estudos médicos vêm revelando os impactos negativos do fumo e, posteriormente, muitos locais públicos estão proibindo o tabaco. Assim, a prevalência de fumantes diminuiu de forma constante nos últimos 50 anos.
Na Grã-Bretanha, por exemplo, mais de metade da população fumava em 1960. Em 2008, esse número caiu para cerca de 20%. Os EUA enfrentaram queda parecida: atualmente, apenas um em cada cinco americanos fuma, em comparação com quase um em cada quatro uma década atrás.
Em algum momento, os principais mercados de tabaco quase faliram. Por enquanto, o aumento do preço por pacote manteve o crescimento de lucro das empresas em meio ao forte declínio de fumantes, mas, eventualmente, pode haver muito poucos fumantes para que o mesmo truque salve o negócio. Na maioria dos países desenvolvidos, a venda de cigarros deve perder seu valor até 2050.
O relatório prevê três tipos de cenário nas quais as taxas de tabagismo vão diminuir ou se extinguir: no cenário A, a tendência de diminuição existente se estende até atingir zero. No cenário B, as pessoas gradualmente desistem de fumar, até nos aproximamos a uma espécie de “núcleo de fumantes”, aquele grupo rígido que pode se extinguir eventualmente. No cenário C, o fumo chega a um ponto de inflexão, se torna cada vez mais inaceitável e, portanto, fica mais fácil regular contra o tabaco, que pode chegar a ser totalmente proibido.



http://hypescience.com/o-cigarro-pode-ser-extinto-ate-2050/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29

sábado, 8 de janeiro de 2011

Os Benefícios do Chá Verde no combate ao Câncer

Seu uso iniciou-se entre monges budistas e atualmente representa 20% de todo chá consumido no mundo. Os japoneses costumam servir chá verde na entrada da refeição, com o objetivo de preparar o estômago para a digestão.

As catequinas são os principais compostos fenólicos presentes no chá verde e exercem vários benefícios para a saúde, dentre os quais podemos destacar:

Preventivo contra o câncer:

A prefeitura da cidade de Shizuoka observou em um estudo controlado, que nas áreas dedicadas a produção do chá verde, verificava-se uma incidência menor de todos os tipos de câncer, quando comparado com as outras regiões, principalmente o câncer gastrointestinal.

De fato, vários estudos como o realizado pelo Instituto Nacional do Câncer de Tóquio, demonstraram que a administração de chá verde diminuiu significativamente a incidência de câncer duodenal em ratos. Estes estudos demonstram que esse chá também pode ser um fator de prevenção do câncer em seres humanos.
O efeito quimiopreventivo do chá verde está relacionado à prevenção de vários tipos de câncer: mama, esôfago, pulmão, estômago, coloretal, bexiga, rins, próstata, pele e lesões pré-cancerosas orais.

Nos últimos anos, dois estudos atestaram ser verdade aquilo que a sabedoria oriental e a medicina alternativa já apregoavam: o chá verde tem propriedades que podem auxiliar na prevenção do câncer e existe uma relação entre consumo de chá verde e redução na taxa de mortalidade por doenças do coração. Ambos os estudos foram publicados em revistas científicas prestigiosas (Cancer Research e Journal of the American Medical Association) e sinalizam o uso da erva na formulação de remédios.
 
David Servan-Schreiber, neurologista francês autor do best seller 'Anticâncer', defende a alimentação como uma forma de prevenção da doença e fala sobre as descobertas das últimas pesquisas sobre o assunto, ele dia que os três melhores alimentos anticâncer são: cúrcuma, cebola ou alho ou alho-poró e chá verde. Porque as evidências científicas sobre o benefício deles são massivas e porque são facilmente adicionados a qualquer tipo de dieta que você siga. Mas uma dica: a catequina, substância benéfica do chá verde, desaparece depois de uma hora do preparo. Por isso, não adianta tomar a versão industrializada. O ideal é tomar três copos por dia. No caso do alho e da cebola, a regra é seguir a lógica mediterrânea: adicione a tudo o que cozinhar, menos à sobremesa. Para a cúrcuma, a quantidade ideal é de uma colher de chá por dia.
 
No Brasil, ele ganhou fama de ser um aliado para quem quer emagrecer. Agora, um estudo publicado na revista Phytomedicine aponta que esse tipo de chá também tem um papel vital na proteção do organismo contra o câncer e pode ser eficaz no combate das principais causas do Mal de Alzheimer.
A pesquisa foi realizada na Universidade de Newcastle, no Reino Unido, e tinha como principal objetivo investigar se as propriedades do chá verde ainda estavam ativas depois de serem ingeridas e se elas realmente eram absorvidas pelo organismo.
De acordo com Ed Okello, um dos responsáveis pela pesquisa, as propriedades do chá verde são potencializadas durante o processo de digestão. "As substâncias químicas resultantes da digestão da bebida são realmente mais eficazes contra as principais causas do desenvolvimento de Alzheimer do que a forma não digerida do chá",diz.
Dois compostos são conhecidos por desempenhar um papel significativo no desenvolvimento da doença de Alzheimer – o peróxido de hidrogênio e uma proteína conhecida como beta-amilóide. Estudos realizados anteriormente demonstraram que compostos conhecidos como polifenóis, presentes no chá verde, possuem propriedades neuroprotetoras que impedem que as substâncias que causam a doença se fixem no cérebro.
"Além disso, descobrimos também que os compostos digeridos tinham propriedades anticancerígenas que diminuíram significativamente o crescimento das células tumorais usadas em nossos experimentos”, complementa o pesquisador.


Fontes:
http://www.sitemedico.com.br/sm/materias/index.php?mat=176
http://veja.abril.com.br/081106/p_138.html
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI73186-15257,00.html
http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI200435-15257,00.html