Pular para o conteúdo principal

Licopeno e as frutas vermelhas

Na praça, na feira-livre e no laboratório de pesquisas. A melancia é uma fonte de vida fresca e doce. No corte afiado, mãos delicadas revelam mais um avanço científico. Em um laboratório da Universidade de Campinas (Unicamp), a engenheira de alimentos Kathleen Fullin acaba de descobrir novas fórmulas extraídas da generosa fruta, que brota nas quatro estações das terras brasileiras. Além de gostosa, o que ela tem? Madura, viva, cor de sangue. Sangue novo, capaz de proteger milhões de células!


"Esse vermelho é exatamente o licopeno!", conta Katlhleen.

Encontrado nos frutos vermelhos, o licopeno é cada vez mais admirado pela ciência. Pode ser na melancia, no tomate. O licopeno é mais do que uma dose de esperança. Por que será?

"Ele atua no combate aos radicais livres. É bem interessante para prevenção de câncer, especialmente o câncer de próstata", revela a pesquisadora. “Experimentei com iogurte natural, sorvete de morango, iogurte de frutas vermelhas. É possível aplicar licopeno não só em produtos com o gosto característico da melancia como também em papinha de bebê.”
"Todo paciente é um agente da sua própria cura", comenta a empresária Clarice Shein, enquanto saboreia sua sopinha de tomate.

Clarice provou e gostou. Ela, agora, testa o tomate como remédio no tratamento do câncer de mama.

"Eu precisava reforçar meu organismo porque sabia que passaria por uma cirurgia e, depois, por uma quimioterapia. Eu tive que fazer a retirada total da mama", conta a paciente. "Senti muitas mudanças. Meu cabelo cresceu muito rápido. Haviam me dito que levaria quatro meses depois da última quimioterapia para que ele começasse crescer, e eu já cortei duas vezes. Não tive enjôo, não tive nada", afirma.

Conforme pesquisei, tomate, goiaba, melancia: contêm licopeno, substância antioxidante responsável pela coloração vermelha desses alimentos. Estudos comprovam a ação do licopeno na prevenção do câncer de próstata.

Melancias são extremamente baixos em calorias, contendo água mais de 90%, mas o seu conteúdo em vitaminas e antioxidantes é nada menos que incrível!


Eles são excelentes fontes de vitamina C e A devido ao beta caroteno. Melancias vermelhas são altas fontes de licopeno (antioxidante) como o tomate.
No organismo humano o licopeno se deposita principalmente no fígado, próstata e tecido adiposo. Tendo um tropismo especial pela próstata e mama - rica em tecido gorduroso, com efeito comprovado, tanto na prevenção como auxiliar no tratamento do câncer de mama e próstata.
O licopeno é o antioxidante mais poderoso que existe, sendo de 20-30 vezes mais potente que qualquer outro até o momento conhecido. Ele protege as proteínas, ácidos graxos essenciais, colesterol LDL, DNA e todas as células do corpo contra a ação dos radicais livres.

O licopeno protege as artérias contra a formação de placas ateromatosas, em decorrência de sua ação no colesterol LDL, prevenindo por conseqüência a doença coronariana e a aterosclerose cerebral.

A melhor fonte de licopeno é o tomate, muito bem maduro, aquele normalmente usado para fazer molho. Quando aquecido o licopeno do tomate é melhor absorvido. Sua absorção melhora ainda mais quando combinado a uma pequena quantidade de gordura monoinsaturada, como a do azeite extra virgem.

Benefícios
• Excelente antioxidante;

• Auxilia na prevenção do câncer de mama;

• Auxilia na prevenção do câncer de próstata;

• Auxilia na prevenção do câncer de pulmão, em não fumantes;

• Auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares;

• Auxilia na prevenção da aterosclerose cerebral;

Prevenir com o que temos em nossa própria mesa é uma questão de escolha de como se alimentar e evitar doenças como o câncer.
 
Fontes:

http://mundoverde.com.br/blog/2010/04/08/dia-mundial-do-combate-ao-cancer/
 
http://grep.globo.com/TVGlobo/Jornalismo/Semanal/globoreporter/CDA/pops/tvg_cmp_globoreporter_imprimir/0,20212,4375-3-68576,00.html
 
http://www.artigonal.com/biologia-artigos/principios-e-fundamentos-do-licopeno-lycopersicon-esculentum-e-sua-acao-no-combate-aos-radicais-livres-e-o-cancer-de-prostata-3724335.html
 
http://www.suplementosaudeonline.com.br/Qualidade/licopeno.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVELÓS OU "DEDINHO DE ANJO"

Cientistas e médicos brasileiros estão testando em humanos o potencial de uma planta africana para o tratamento do câncer. É possivelmente a primeira vez que o Brasil submete um medicamento dessa natureza, obtido em solo nacional, aos rigorosos testes médicos para a aprovação de uma nova droga.
A planta é a avelós (nome científico Euphorbia tirucalli), típica das regiões norte e nordeste do País. Sua ação medicinal já era mencionada na cultura popular, o que motivou a indústria farmacêutica a analisar sua ação em células em cultura e em animais.

Os resultados foram bastante promissores.
Ao que tudo indica, a substância age nas células do câncer induzindo a apoptose - uma espécie de suicídio celular. "É o que chamamos de morte celular programada", explicou ao G1 Auro Del Giglio, gerente do programa integrado de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos coordenadores do estudo. "Em células normais, é um procedimento que acontece para a renovação das…

Carcinógenos Químicos

As substâncias químicas cancerígenas são encontradas distribuídas na natureza, compreendendo desde alimentos naturais até compostos altamente modificados pelo homem. Os carcinógenos químicos são divididos em duas categorias: carcinógenos diretos e indiretos. Os diretos são agentes alquilantes que já possuem atividade eletrofílica intrínseca, e devido a essa propriedade podem provocar câncer diretamente. A maioria das substâncias químicas são carcinógenos indiretos, precisam primeiro sofrer modificações químicas no organismo para então se tornarem eletrofílicas e ativas (BOGLIOLO, 1998). O metabolismo dos carcinógenos é feito por grande variedade de enzimas solúveis ou associadas com membranas, entre as quais as do citocromo P-450 são as mais importantes. A atividade desses sistemas enzimáticos sofrem influências de vários fatores endógenos e exógenos. Há variações qualitativas e quantitativas dessas enzimas em diferentes tecidos, em diferentes indivíduos e diferentes espécies, podendo…

A glicose, glutamina e o câncer

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Utah, em Sal Lake City, nos Estados Unidos, publicado recentemente no site da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, destaca alguns achados inéditos sobre a relação entre glicose e câncer.
As informações trazem algumas implicações que abrangem inclusive outras doenças, como o diabetes.
Segundo Donald Ayer, professor do Instituto de Câncer Huntsman da Universidade de Utah e um dos autores do trabalho, desde 1923 já se sabe que células tumorais usam muito mais glicose do que células normais. Ele afirma que a pesquisa ajuda a tentar entender como esse processo ocorre e como pode ser interrompido de modo a tentar controlar o crescimento dos tumores.
Tanto a glicose (açúcar) como a glutamina (aminoácido), essenciais para o crescimento celular, não funcionam de modo independente, como até pouco tempo atrás se imaginava. O que observou-se agora é que durante o crescimento de células normais ou cancerosas ocorr…