sábado, 16 de abril de 2011

Nanopartículas e nanotecnologia, uma realidade e um perigo

Quando começaram a fazer pequisas para utilizar as nanopartículas contra doenças como o câncer, conforme os pesquisadores da Rice University. Segundo eles, as nanobolhas estouram as células cancerosas e servirão, segundo os estudiosos para destruir as células doentes antes que a doença se espalhe pelo organismo. “Nanobubbles” destroem qualquer bloqueio de gordura existente em nossas artérias.
Um dos testes realizados com a bolha contou com anticorpos, que encontraram as células doentes e as destruíram, sem lesionar as saudáveis. Uma equipa de investigadores do Instituto Nacional de Engenharia Biomédica (INEB) publicou recentemente um artigo que descreve uma técnica capaz de reduzir substancialmente o tempo necessário ao desenvolvimento de nanopartículas terapêuticas.
Em outro estudo, segundo Ana Paula Pêgo, coordenadora do projecto, explicou ao «Ciência Hoje», o trabalho foi desenvolvido para terapia génica – procedimento médico que envolve a modificação genética de células como forma de tratar doenças –, em órgãos do sistema nervoso, “embora a técnica possa ser extrapolada para outras situações, como a entrega de drogas, em farmacologia, na medicina interna, nomeadamente no tratamento do cancro”.
“O grande objectivo da medicina actual é encontrar e utilizar tratamentos diferenciados de acordo com as doenças e os pacientes, ou seja, desenvolver substâncias capazes de atingir exclusivamente as células que se querem tratar e tentamos fazer isso mesmo – criar nanopartículas com entrega específica em células-alvo, de forma a tornar o processo de optimização mais rápido”, prosseguiu a investigadora do INEB.
 Ainda não tínhamos idéia do que estava para acontecer, segundo pesquisas mais atuais as nanopartículas podem ser perigosas para a saúde.

Cientistas suíços se alarmam, mas seus resultados são colocados em dúvida por outros estudos. As autoridades suíças adiaram a publicação de uma estratégia para essa área.
Mais de dois milhões de toneladas de dióxido de titânio nomométrico (nano-TiO2) são produzidos no mundo, todo ano. Utilizado como pigmento e para opacificar, esse nanomaterial entra na composição de tintas, cosméticos, protetores solares, remédios, pasta dental, colorantes alimentares e numerosos outros produtos de uso corrente, segundo artigo da agência suíça ATS, dedicado a uma publicação de pesquisadores suíços.
Pesquisadores do Departamento de Bioquímica da Universidade de Lausanne (UNIL, oeste) , da Universidade de Orléans (França) e do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), estudaram as inflamações causadas pelo nano-TIO2. Eles o testaram em células humanas e em ratos de laboratório.
Segundo os resultados, as nanopartículas de TiO2 produzem efeitos similares aos de outros dois irritantes ambientais bem conhecidos, o amianto e o silício. Como eles, elas ativam o inflamasoma NLRP3 – um complexo multiproteico provocando uma reação inflamatória – e uma produção de derivados reativos de oxigênio, moléculas tóxicas capazes de atacar o ADN, as proteínas e as membranas celulares.
“Da mesma maneira que o amianto, você acumula partículas de titânio nanométrico nos pulmões”, explica Jürg Tschopp, responsável pela pesquisa e professor de química biológica na Universidade de Lausanne, questionado por swissinfo.ch. “Meu receio é que essas partículas se tornem o amianto do futuro”, acrescenta Tschopp, vencedor do Prêmio Louis-Jeantet 2008 de medicina. “Há 40 anos, estávamos no mesmo ponto com o amianto. Havia indícios do perigo de provocar câncer, mas os dados não eram significativos”, lembra o pesquisador.

“Atualmente, não podemos excluir que as nanopartículas também sejam perigosas como o amianto”. Mas Jürg Tschopp admite que ele mesmo não deixará de usar creme solar nem de escovar os dentes com um dentifrício.
Mas será preciso, de acordo come ele, que esse tema entre na agenda política, que seja elaborado um regulamento e que sejam reforçadas as precauções. “Para evitar a mesma catástrofe que a do amianto, será necessário questionar até onde podemos renunciar às nanopartículas.
" É simplesmente impossível comparar a nanotecnologia com o amianto. É uma aberração."
Peter Gehr, PNR "nanomateriais" Nem sempre "nano"

A seguradora de acidentes Suva acompanha a questão de perto. “As nanopartículas não devem se tornar o amianto de amanhã”, indica a seguradora. Hoje ainda, 100 pessoas por ano morrem em consequência de sua exposição ao amianto, material que foi proibido na Suíça em 1990.
Quanto aos consumidores, o novo estudo é visto com bons olhos. “É importante ressaltar que o estudo aborda a toxicidade das nanopartículas de dióxido de titânio”, explica Huma Khamis, da Federação de Consumidores da Suíça francesa (FRC). Ora, estas não são sempre utilizadas na forma nanométrica nos produtos de grande consumo.”
A FRC pondera que “os cremes solares constituem uma exceção, embora os perigos potenciais de uma exposição ao sol sem protetor são maiores. É um grande dilema” opina Huma Khamis.
Segundo o relatório 2010 sobre as nanotecnologias na Suíça, o governo federal teve um papel pioneiro na Suíça na ciência do infinitamente pequeno, descobrindo seu potencial muito cedo.
Um relatório federal estratégico foi publicado em 2008. Um segundo relatório é aguardado desde novembro. Em dezembro passado, o Programa Nacional de Pesquisa “oportunidades e riscos dos nanomateriais” foi lançado, com 18 pesquisas separadas.
Peter Gehr, presidente do comitê de direção do PNR é muito crítico do estudo publicado no PNAS. “É simplesmente impossível comparar a nanotecnologia com o amianto. É uma aberração”, denuncia.
“Partir de uma reação celular aguda e deduzir que isso pode provocar câncer é simplesmente uma loucura”, diz esse especialista em pulmões e professor de anatomia. Peter Gehr admite, no entanto, uma grande “distância” entre nossos conhecimentos acerca de uma exposição crônica às nanopartículas e os efeitos a longo prazo sobre os humanos e o meio ambiente.
“É verdade, muitas questões ainda não têm resposta”, diz Huma Khamis. “Por exemplo, como evoluem as nanopartículas nos produtos, será que elas formam moléculas maiores?”
Outro problema para os consumidores : hoje é impossível saber se um produto contém nanopartículas ou não. O relatório anunciado para novembro deveria esclarecer certos produtos e poderia exigir que alguns sejam retirados do mercado, estima Huma Khamis.

http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=48453&op=all
http://www.blogdasaude.com.br/saude-fisica/2010/02/11/nanotecnologia-contra-o-cancer-%E2%80%93-descoberta-que-vale-ouro/

http://www.swissinfo.ch/por/reportagens/Nanoparticulas_suscitam_temores_para_a_saude.html?cid=29434036