Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

Câncer de Pâncreas - novas descobertas

A vida após o câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas está entre os tipos de tumores mais difíceis de tratar, mesmo quando a doença é detectada precocemente ou o tumor pode ser removido cirurgicamente, chamado de ressecável. As chances de que a doença volte a se desenvolver são altas. No entanto, um novo estudo apresentado na ASCO 2018 mostrou que mudanças no tratamento padrão do câncer de pâncreas ressecável podem ajudar a prolongar a vida dos pacientes.

O estudo, que envolveu pesquisadores da França e do Canadá, descobriu que, após a cirurgia, pessoas com o tipo mais comum de câncer de pâncreas, responsável por 90% de todos os casos, o adenocarcinoma ductal pancreático não metastático (PDAC), que receberam uma nova abordagem quimioterápica viveram mais e ficaram mais livres do câncer do que aquelas que foram submetidas à quimioterapia padrão atual.

A quimioterapia após a cirurgia é chamada de adjuvante. Para casos de PDAC, a quimioterapia adjuvante padrão é com a droga gemcitabina (Gem…

As células do câncer e os centríolos

Publicado no periódico Nature Communications nesta quarta-feira (28), o estudo analisou 60 linhas de câncer humano originadas em nove tecidos diferentes. Seus resultados revelam que as células cancerosas costumam ter centríolos extras e mais longos, ausentes nas células normais. 

Além disso, a equipe descobriu que os centríolos mais longos são excessivamente ativos, o que perturba a divisão celular e pode favorecer a formação de câncer. 

Os cientistas vão seguir com os estudos para explorar novos mecanismos e métodos terapêuticos que possam visar os centríolos da célula cancerosa. No segundo estudo, a descoberta mostrou um dos motivos que deixam o câncer resistente a tratamentos.

Sempre existe a esperança quando se tem novas descobertas sobre o câncer.
Por isso, não desista de lutar até o fim, pois Deus também deu capacidade aos
homens para descobrir e obter a cura do câncer.




Fonte:

 - Veja mais em https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2018/03/28/dicas-sobre-a-cura-estudos-mostram-como…

Novos estudos, Tratamento sem quimioterapia

Trata-se de uma combinação incrível, capaz de eliminar ou, pelo menos, diminuir, os tumores na mama em apenas 11 dias. Dá para acreditar nisso? O estudo foi divulgado na Conferência Europeia de Câncer de Mama. O resultado surpreendeu até os especialistas. O tratamento é simplesmente a combinação perfeita de dois remédios, o trastuzumab e lapatinib. Essa fórmula foi capaz de eliminar o HER2 positivo, um dos tipos mais agressivo de câncer de mama. O experimento foi jeito pela Universidade de Manchester, no Reino Unido. Para isso, foram utilizadas 257 voluntárias com câncer de mama. Essas pacientes foram divididas em três grupos: O grupo que não tomou nenhuma das substâncias. O grupo que recebeu o trastuzumab, normalmente receitado após a cirurgia. O grupo que recebeu a combinação do trastuzumab com o lapatinib. O resultado: 87% das mulheres do terceiro grupo apresentaram redução de células cancerosas. Em 28% dos casos, a combinação causou uma “redução significativa”. Em 11%, o tumor de…

O zika virus e o câncer

Zika vírus pode ser utilizado para combater o câncer: pesquisadores da UNICAMP utilizaram o zika vírus para matar células que possuíam um tumor cerebral maligno e agressivo. O zika vírus foi capaz de eliminar as células com câncer, sem afetar as células saudáveis. Muitos testes ainda serão realizados para que o tratamento seja implantando, mas a pesquisa já foi um grande passo na busca de novos tratamentos contra o câncer.

Estudo publicado na revista Cancer Research, da Associação Americana para o Pesquisa do Câncer, revela o lado terapêutico do vírus zika que, em 2015, deixou em alerta as autoridades mundiais de saúde pública, quando se estabeleceu a ligação entre a infecção pelo vírus durante a gestação e o nascimento de crianças com microcefalia. Agora, pesquisadores brasileiros do Centro de Estudos do Genoma Humano e Células-Tronco mostram, pela primeira vez em animais, o efeito deletério da injeção do vírus purificado, em baixa concentração, sobre tumores embrionários cerebrais, d…

A Cura Promissora de Novos tratamentos, sem quimioterapias

A vida de uma mulher com câncer de mama em estágio considerado terminal foi salva por um tratamento pioneiro, que consiste na aplicação de 90 bilhões de células imunológicas cujo objetivo é combater o tumor. Segundo pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer, nos EUA, o tratamento ainda é experimental, mas pode ter efeito transformador em todas as terapias de combate ao câncer. A mulher em questão é a americana Judy Perkins, 49 anos, que havia recebido, dois anos atrás, o prognóstico de que teria apenas três meses de vida restantes. A moradora da Flórida tinha câncer de mama em estágio avançado, que estava se espalhando - já havia tumores do tamanho de uma bola de tênis em seu fígado e em outras partes do corpo - e não havia mais perspectiva com tratamentos convencionais. Hoje, porém, não há vestígios do câncer em seu corpo, segundo médicos. E Judy tem aproveitado a vida viajando e praticando canoagem. "Cerca de uma semana depois (do tratamento pioneiro), eu comecei a sentir …

NOVE ENTRE DEZ CANCERES SÃO CAUSADOS PELO ESTILO DE VIDA SEGUNDO PESQUISAS

Foto: Divulgação / Coleção da Wellcome
Até nove em cada dez cânceres são causados por fatores externos, como fumar, beber, exposição ao sol e poluição, concluiu um estudo. Pesquisas anteriores sugeriam que mutações celulares aleatórias tinham papel significativo no desenvolvimento de tumores. É a “hipótese da má sorte”.
Eu acredito que tem muitas coisas que foram colocadas pelo homem e que provocam mutações negativas nas células, como a utilização de agrotóxicos, muitos deles liberados pelo governo, só pensam nos lucros e não pensam na saúde.
            FONTE: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/seis-descobertas-recentes-sobre-cancer-18820555

NOVO ÓRGÃO DO CORPO HUMANO DESCOBERTO

Um novo órgão foi descoberto no corpo humano, e ele pode esclarecer a forma como o câncer se espalha pelo processo de metástase. Trata-se de um dos maiores órgãos do corpo, mas não era possível identificá-lo por conta de falta de sofisticação tecnológica para tanto. O tecido conjuntivo, presente entre diferentes tecidos, é o “novo” órgão chamado interstício. Ele reveste, por exemplo, o sistema digestivo, nossas veias e artérias. Em vez de as camadas intersticiais serem sólidas, como se pensava antes, elas são cheias de líquidos e interconectadas. É por conta disso que, entendendo melhor o funcionamento dessa estrutura, pode ficar mais fácil para pesquisadores descobrirem, no futuro, como o câncer consegue se espalhar rapidamente para outros órgãos. Desdobramentos positivos para tratamentos de edema e fibrose também são possíveis a partir da compreensão desse novo órgão. A descoberta foi feita por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos. O est…

Sobre o nosso sistema imune - o que diz a ciência sobre as vacinas atualmente

sistema imunológico nos libera do câncercontinuamente. Além de se encarregar de rechaçar as invasões de micróbios que ameaçam nossa saúde, ele é capaz de destruir células tumorais antes que elas virem um problema, e inclusive pode eliminar tumores já formados. Às vezes, o que parece uma cura milagrosa não passa de uma boa reação das próprias defesas do organismo contra o câncer, mas nem sempre elas bastam. Há mais de um século, intui-se o potencial de estimular o sistema imunológico contra os tumores, mas até a última década os cientistas não haviam obtido avanços importantes nessa tarefa. Agora a situação mudou.

a revista Science Translational Medicine publicou uma descoberta que pode abrir uma nova janela para os sistemas defensivos contra o câncer. Em alguns casos, as imunoterapias exigem uma ativação generalizada do sistema imunológico, com os subsequentes efeitos secundários, ou é necessário extrair células imunológicas para modificá-las em laboratório e tornar a injetá-las no p…

Sobre o Melanoma

Melanoma severo: maioria das vítimas tem poucas pintas Foto: Reprodução
O senso comum diz que pessoas com mais risco de câncer de pele são aquelas com muitas pintas no corpo. Mas um estudo publicado no periódico "Jama Dermatology" revela que a maioria das pessoas com melanoma (o tipo mais sério de câncer de pele) não tem muitos sinais. Grande parte das vítimas (66%) tinnham entre 0 e 20 sinais em todo o corpo.
https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/seis-descobertas-recentes-sobre-cancer-18820555

A VITAMINA B17 E O CANCER

O Dr. Harold W. Manner, Professor de Biologia e Presidente do Departamento de Biologia da Universidade Loyola de Chicago, afirma que seu tratamento, baseado em pesquisas que se baseiam em uma controversa teoria da terapia de nutrição, . A controvérsia realmente começou em 1908, quando John Beard, professor de embriologia na Universidade de Edimburgo, sugeriu que os tumores malignos - câncer - podem ser curados pelo uso efetivo de enzimas comuns (em vez da cirurgia de mutilação, quimioterapia venenosa ou queima radiação utilizada pelo moderno estabelecimento médico).Tanto o Dr. Beard quanto sua teoria foram ridiculizados pelos cientistas do dia. Não foi até 1938 que o trabalho do professor de Edimburgo foi recolhido e continuado pelo Dr. Ernst Krebs e seu filho, Ernst Krebs, Jr. Os Krebs, de fato, dedicaram suas vidas à terapia nutricional. Fora desse trabalho veio "A Tese Trofoblástica do Câncer", o laetrilo (uma substância - também conhecida como ampíndina ou vitamina B-17 …

Sobre a alimentação e como o câncer se espalha ou não espalha - um estudo

Há crescentes provas de que aquilo que comemos pode alterar a forma como o cancro se espalha e cresce, apontam cientistas de Cambridge num estudo publicado esta semana na revista "Nature", onde a equipa do Instituto de Investigação sobre o Cancro apresenta os resultados de uma investigação ao efeito da asparagina no alastramento de um tipo agressivo de cancro de mama em ratinhos. A asparagina é encontrada na carne de frango, marisco e numa série de outros alimentos, em particular nos espargos aos quais foi buscar o nome. Sendo um dos aminoácidos mais comuns na natureza, o seu consumo ajuda o corpo a metabolizar os alimentos, mas de acordo com o estudo da equipa de Cambridge, parece também ser uma das comidas favoritas do cancro de mama que foi analisado. Normalmente, os ratinhos com esse tipo de tumor específico morriam no espaço de semanas à medida que as células cancerígenas se espalhavam pelo corpo. O que os cientistas perceberam é que uma dieta baixa em asparagina ou a …