Pular para o conteúdo principal

Formol pode causar câncer nas vias respiratórias

Agência norte-americana alerta para sério risco da exposição ao produto usado nas escovas progressivas

POR PÂMELA OLIVEIRA
Rio - A busca por cabelos lisos pode acabar de forma trágica e dolorosa. O formol — usado ilegalmente no Brasil como alisante em escovas progressivas e outros tratamentos capilares — é cancerígeno. Ou seja, é capaz de alterar as células e levar à formação de tumores, principalmente nas vias respiratórias (áreas da garganta e nariz). O alerta foi feito ontem pelo FDA, órgão americano que regulamenta remédios e alimentos (http://www.fda.gov/).
Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), clientes e cabeleireiros que usam formol correm risco de desenvolver a doença. “O câncer precisa de um agente indutor e o formol é comprovadamente cancerígeno. A principal via de absorção é através da respiração”, explica Ubirani Otero, chefe da área de câncer ocupacional do Inca.
De acordo com ela, alguém que se submete ao alisamento com formol uma vez pode desenvolver este tipo de câncer até 20 anos depois. “Depende de diversos fatores, como a frequência de exposição, a intensidade e a suscetibilidade de cada um”, diz, acrescentando que há evidências de câncer de nasofaringe por uso de formol, além de estudos que relacionam a substância a tumores de pulmão e leucemias.
Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o uso do formol é permitido em cosméticos como conservante, na concentração de 0,2% — cerca de 4 gotas em cada 100 ml de cosmético. “Mas cabeleireiros adicionam formol em produtos prontos. E ninguém, nem eles, têm controle da quantidade colocada. Certamente é muito maior do que a permitida, que não é capaz de alisar”, diz Érica França, especialista em cosméticos da Anvisa. A informação é confirmada por cabeler eiros. “Eu colocava uma tampinha (de álcool) de formol em cada 100 ml. Menos que isso não alisa o cabelo”, afirma uma profissional.
Profissionais de salões são os que correm mais perigo
Os clientes que se submetem ao alisamento com formol não são os únicos que correm risco de desenvolver câncer devido ao produto. Profissionais de salões de beleza são ainda mais expostos ao risco, de acordo com a médica Ubirani Otero, do Inca.
“Os profissionais, que aplicam o produto em diversos clientes, aspiram o vapor com mais frequência. Esse é um problema de saúde pública importante, principalmente no Brasil, que está adotando a cultura do cabelo liso. Clientes e profissionais correm risco”, alerta Ubirani, acrescentando que geralmente os locais sã o fechados e o cheiro do produto fica impregnado.
A médica faz um alerta às mães para que não submetam seus filhos ao risco. “Muita levam crianças e dizem que elas aguentam o cheiro. É um crime. Essa criança corre risco de ter câncer ainda mais cedo do que os demais, já que a exposição foi mais cedo”.
A adição de formol em produtos é crime sujeito a punição de 15 anos de prisão.
http://odia.terra.com.br/portal/cienciaesaude/html/2011/6/formol_pode_causar_cancer_nas_vias_respiratorias_171070.html
Departamento de Saúde dos EUA classifica o formol como cancerígeno
Rio - O governo dos EUA emitiu um alerta classificando oito produtos químicos como cancerígenos. O composto que gerou a maior preocupação foi o formaldeído, - base do formol, encontrado em produtos para cabelos, esmalmentes, tintas, espuma de isolamento, entre outros produtos. Estudos em humanos demonstraram que a exposição ao formol pode causar câncer, incluindo câncer de garganta e leucemia mielóide.
Outro composto que inclui a lista de cancerígenos é o Estireno, conhecido como benzina de vinil, encontrado no isopor e utlizado no processo de fabricação de copos de plástico e papel. As informações são da rede americana ABC News.
Também figuram na lista de cancerígenos, os ácido Aristolóquico, encontrado e alguns t ipos de ervas; o Captafol, tipo de fungicida utilizado per agricultores; Carboneto de tungstênio-cobalto (em pó e em metal duro), utilizado na fabricação de metal duro; Orto-nitrotolueno, usado em tintas sintéticas, tais como magenta e vários corantes de enxofre para tecidos e o Riddelliine, encontrado em algumas plantas não são utilizados para a alimentação.
O relatório que atestou os compostos como cancerígenos é feito a cada dois anos pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA
http://odia.terra.com.br/portal/cienciaesaude/html/2011/6/departamento_de_saude_dos_eua_classifica_o_formol_como_

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVELÓS OU "DEDINHO DE ANJO"

Cientistas e médicos brasileiros estão testando em humanos o potencial de uma planta africana para o tratamento do câncer. É possivelmente a primeira vez que o Brasil submete um medicamento dessa natureza, obtido em solo nacional, aos rigorosos testes médicos para a aprovação de uma nova droga.
A planta é a avelós (nome científico Euphorbia tirucalli), típica das regiões norte e nordeste do País. Sua ação medicinal já era mencionada na cultura popular, o que motivou a indústria farmacêutica a analisar sua ação em células em cultura e em animais.

Os resultados foram bastante promissores.
Ao que tudo indica, a substância age nas células do câncer induzindo a apoptose - uma espécie de suicídio celular. "É o que chamamos de morte celular programada", explicou ao G1 Auro Del Giglio, gerente do programa integrado de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos coordenadores do estudo. "Em células normais, é um procedimento que acontece para a renovação das…

Carcinógenos Químicos

As substâncias químicas cancerígenas são encontradas distribuídas na natureza, compreendendo desde alimentos naturais até compostos altamente modificados pelo homem. Os carcinógenos químicos são divididos em duas categorias: carcinógenos diretos e indiretos. Os diretos são agentes alquilantes que já possuem atividade eletrofílica intrínseca, e devido a essa propriedade podem provocar câncer diretamente. A maioria das substâncias químicas são carcinógenos indiretos, precisam primeiro sofrer modificações químicas no organismo para então se tornarem eletrofílicas e ativas (BOGLIOLO, 1998). O metabolismo dos carcinógenos é feito por grande variedade de enzimas solúveis ou associadas com membranas, entre as quais as do citocromo P-450 são as mais importantes. A atividade desses sistemas enzimáticos sofrem influências de vários fatores endógenos e exógenos. Há variações qualitativas e quantitativas dessas enzimas em diferentes tecidos, em diferentes indivíduos e diferentes espécies, podendo…

A glicose, glutamina e o câncer

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Utah, em Sal Lake City, nos Estados Unidos, publicado recentemente no site da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, destaca alguns achados inéditos sobre a relação entre glicose e câncer.
As informações trazem algumas implicações que abrangem inclusive outras doenças, como o diabetes.
Segundo Donald Ayer, professor do Instituto de Câncer Huntsman da Universidade de Utah e um dos autores do trabalho, desde 1923 já se sabe que células tumorais usam muito mais glicose do que células normais. Ele afirma que a pesquisa ajuda a tentar entender como esse processo ocorre e como pode ser interrompido de modo a tentar controlar o crescimento dos tumores.
Tanto a glicose (açúcar) como a glutamina (aminoácido), essenciais para o crescimento celular, não funcionam de modo independente, como até pouco tempo atrás se imaginava. O que observou-se agora é que durante o crescimento de células normais ou cancerosas ocorr…