terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Porque também se fala de carne de porco?

A nova pesquisa, se baseou em testes feitos em três voluntários, todos membros da equipe de pesquisa. Eles beberam uma solução purificada de Neu5Gc, extraída de porcos.
Os testes provaram que, se o ácido estiver presente na dieta, uma pequena parte dele é absorvido por tecidos do corpo, como o que compõe os vasos sangüíneos, e o restante é eliminado.
Cerca de dois dias depois de ingerida, a concentração da substância havia aumentado até três vezes no corpo dos voluntários.
Entre quatro e oito dias depois, a concentração já havia caído para quase o mesmo nível presente originalmente.carne de porco

A pesquisa concluiu que, como a molécula não é produzida pelo corpo, ela é vista como um invasor pelo sistema imunológico, que reage.
De acordo com o professor Ajit Varki, que liderou a pesquisa, o ácido certamente não é perigoso imediatamente após ser ingerido, e que é possível que os humanos tenham desenvolvido uma tolerância a ele após milênios comendo carnes vermelhas.

“Pode ser que (por isso) o dano só se faça sentir com a passagem dos anos”, disse. “Contudo, nós estamos agora vivendo mais tempo, e a questão que surge é se a acumulação gradual de Neu5Gc e a presença simultânea de anticorpos produzidos contra a substância poderiam estar relacionadas ao desenvolvimento de certas doenças mais tarde.”

A carne de porco só é um fator de risco por se tratar também de uma carne vermelha, e o seu consumo muito alto, é um fator de risco. Isso foi comprovado em países cuja população consumia muita carne vermelha, e apresentavam maiores índices de pessoas com determinados tipos de câncer comparando com países que tem baixo consumo de carne vermelha. Sempre é bom moderar.

http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/6437