Pular para o conteúdo principal

A TERAPIA FOTODINÂMICA

Um menino de 10 anos de idade diagnosticado com uma rara forma de câncer em 2006 vem surpreendendo especialistas na Grã-Bretanha pela melhora em seu estado de saúde depois de se submeter a um tratamento alternativo à quimioterapia.
Connah Broom, da cidade de Flintshire no País de Gales tinha 11 tumores e a quimioterapia apresentava poucos resultados.

Mas após se submeter ao tratamento, conhecido como terapia fotodinâmica e que custou mais de 200 mil libras (equivalentes a cerca de R$ 560 mil), resta ainda apenas um dos tumores.
Seu médico descreve seu estado físico como impressionante e sua família diz que ele está bem.
A avó, Debbie Broom, explicou que após a quimioterapia e outros tratamentos tradicionais terem sido descartados, a família começou a procurar outras formas de combate ao câncer raro, conhecido como neuroblastoma, uma doença que afeta cerca de 80 crianças na Grã-Bretanha anualmente.
Em 2007, eles ouviram falar de uma clínica privada no México que oferecia o tratamento de terapia fotodinâmica.
O tratamento usa laser, e outras fontes de luz, combinado com um medicamento que reage à luz (chamado de agente fotossensível) para destruir células cancerígenas.
Em alguns países, como na Grã-Bretanha, a técnica é usada para o tratamento de algumas formas de câncer, como o de pele.
O garoto se submeteu a um tratamento intensivo de duas semanas no México, segundo a avó.
Ele prosseguiu então com a terapia em casa, onde mora com os avós e o pai.

Resultados

Agora, após quatro anos, Debbie diz que os 10 tumores secundários do neto se foram.
"Estamos lutando e Connah também. Ele está se saindo muito bem", diz ela.
Ele ainda tem o tumor primário em seu abdômen e se submete a sessões de duas horas de tratamento, quatro dias por semana.
O garoto também frequenta uma escola em período integral, toca teclado, canta, dança e gosta de jogar futebol e fazer ginástica.
A avó está convencida de que o tratamento, aliado a uma dieta orgânica, é o segredo do sucesso do neto.
No entanto, o médico de Connah, Eamonn Jessup, não sabe se o tratamento surtiu efeito ou foi seu corpo que combateu o câncer.
"Seu estado é impressionante”, diz ele. "É realmente inexplicável que a maioria dos tumores tenha desaparecido."
"Não sei se é por causa do regime seguido ou do tratamento", finaliza.
A avó diz que a família continuará com o tratamento até que o último tumor desapareça.

SOBRE A TERAPIA FOTODINÂMICA:


A Terapia Fotodinâmica visa a destruição localizada do tecido

vivo anormal mediante sua necrose ou inviabilização, assim

como também a desativação de vírus, destruição de bactérias e

fungos

3,6,8,19-54,57,59,88,93. O tratamento se inicia após um período

de espera, após a administração ao paciente de um corante fotosensitizador

(o agente fototerapêutico), usualmente por injeção

intravenosa. Após esse tempo de espera, quando a concentração

do corante atinge o seu máximo no tecido lesado, procede-se à

exposição do tumor à radiação visível de comprimento de onda

adequado para a excitação do agente fototerapêutico
3,6. A radiação geralmente fornecida por um laser, é dirigida ao local do

tratamento empregando-se um feixe de fibras ópticas.

A terapia fotodinâmica se refere ao uso terapêutico de reações fotoquímicas. Envolve o uso de uma droga fotosensibilizante, ALA-5 - Aminolevulinic - Ácido Amino Levulínico HCl ? solução tópica a 20%. O ALA ao se impregnar no tecido, capta a irradiação de uma luz concentrada e direcionada para a área a ser tratada, que vai provocar a destruição do tecido desta área. É feita aplicação de luz azul ou Luz Intensa Pulsada e há conseqüente produção de oxigênio singlete que provoca a destruição do tecido.

As aplicações do ALA, além do tratamento do câncer cutâneo, incluem:

  • Tratamento das Ceratoses Actínicas, Acne Vulgar Moderada a Severa e Resurfacing (rejuvenescimento)
  • Tumores cutâneos: é a utilização mais antiga da técnica. O tratamento elimina em apenas 1 aplicação de 80 a 100 % das ceratoses actínicas, e dos carcinomas espino e basocelulares superficiais.
  • Ceratose actínica: são lesões consideradas pré-malignas, isto é, predispõem o aparecimento do cãncer cutâneo.
  • Acne: devido a sua atuação nas glândulas sebáceas e na bactéria responsável pela inflamação , esta terapia consegue diminuir em 60 % a acne inflamatória, num período de 1 mês, após 2 a 4 sessões semanais, sem utilização de nenhum medicamento convencional para o controle desta doença e sem efeitos colaterais.
  • Rejuvenescimento: a terapia fotodinâmica diminui sensivelmente as ceratoses, as sardas e os pequenos vasos sanguíneos dilatados na pele (telangiectasias). É feita a aplicação do ALA pelo menos 2 horas antes da aplicação da luz ou do laser. O aparelho mais utilizado é a luz intensa pulsada . Ocorre vermelhidão na área, com posterior formação de crostas, que irão se desprender no período de 3 a 4 dias, junto com uma descamação importante da pele. Cada sessão deve ser feita com intervalo de 1 mês e o tratamento equivale a 3 sessões da luz intensa pulsada sem ALA. A melhora da aparência começa a aparecer a partir da segunda sessão.
Conclusão:
Assim, a terapia fotodinâmica é mais uma boa técnica no arsenal de tratamentos que usam aparelhos para o controle das diversas doenças da pele, diminuindo a necessidade do uso de medicamentos e o índice de efeitos colaterais e, ao mesmo tempo, visando a facilitar a vida dos indivíduos. Além disso, a terapia fotodinâmica constitui hoje a maior arma do oftalmologista no tratamento da degeneração macular da retina. Apesar do número elevado de recidivas e das necessidade de novo tratamento é a terapia fotodinâmica o primeiro tratamento efetivo que consegue a preservação do tecido retiniano. Essa possibilidade abre caminhos para novos modos terapêuticos ainda em pesquisa como as drogas antiangiogênicas que poderão, em um futuro próximo e em associação com a terapia fotodinâmica representar um tratamento de melhores resultados para as lesões degenerativas maculares.
Flávia Aparecida Pereira do SBCD (Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica)

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/12/111201_meninocancer_rc.shtml

http://www.scielo.br/pdf/%0D/qn/v23n2/2124.pdf

http://www.sbcd.org.br/procedimentos.php?id=599

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AVELÓS OU "DEDINHO DE ANJO"

Cientistas e médicos brasileiros estão testando em humanos o potencial de uma planta africana para o tratamento do câncer. É possivelmente a primeira vez que o Brasil submete um medicamento dessa natureza, obtido em solo nacional, aos rigorosos testes médicos para a aprovação de uma nova droga.
A planta é a avelós (nome científico Euphorbia tirucalli), típica das regiões norte e nordeste do País. Sua ação medicinal já era mencionada na cultura popular, o que motivou a indústria farmacêutica a analisar sua ação em células em cultura e em animais.

Os resultados foram bastante promissores.
Ao que tudo indica, a substância age nas células do câncer induzindo a apoptose - uma espécie de suicídio celular. "É o que chamamos de morte celular programada", explicou ao G1 Auro Del Giglio, gerente do programa integrado de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos coordenadores do estudo. "Em células normais, é um procedimento que acontece para a renovação das…

Carcinógenos Químicos

As substâncias químicas cancerígenas são encontradas distribuídas na natureza, compreendendo desde alimentos naturais até compostos altamente modificados pelo homem. Os carcinógenos químicos são divididos em duas categorias: carcinógenos diretos e indiretos. Os diretos são agentes alquilantes que já possuem atividade eletrofílica intrínseca, e devido a essa propriedade podem provocar câncer diretamente. A maioria das substâncias químicas são carcinógenos indiretos, precisam primeiro sofrer modificações químicas no organismo para então se tornarem eletrofílicas e ativas (BOGLIOLO, 1998). O metabolismo dos carcinógenos é feito por grande variedade de enzimas solúveis ou associadas com membranas, entre as quais as do citocromo P-450 são as mais importantes. A atividade desses sistemas enzimáticos sofrem influências de vários fatores endógenos e exógenos. Há variações qualitativas e quantitativas dessas enzimas em diferentes tecidos, em diferentes indivíduos e diferentes espécies, podendo…

A glicose, glutamina e o câncer

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Utah, em Sal Lake City, nos Estados Unidos, publicado recentemente no site da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, destaca alguns achados inéditos sobre a relação entre glicose e câncer.
As informações trazem algumas implicações que abrangem inclusive outras doenças, como o diabetes.
Segundo Donald Ayer, professor do Instituto de Câncer Huntsman da Universidade de Utah e um dos autores do trabalho, desde 1923 já se sabe que células tumorais usam muito mais glicose do que células normais. Ele afirma que a pesquisa ajuda a tentar entender como esse processo ocorre e como pode ser interrompido de modo a tentar controlar o crescimento dos tumores.
Tanto a glicose (açúcar) como a glutamina (aminoácido), essenciais para o crescimento celular, não funcionam de modo independente, como até pouco tempo atrás se imaginava. O que observou-se agora é que durante o crescimento de células normais ou cancerosas ocorr…