segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A TERAPIA FOTODINÂMICA

Um menino de 10 anos de idade diagnosticado com uma rara forma de câncer em 2006 vem surpreendendo especialistas na Grã-Bretanha pela melhora em seu estado de saúde depois de se submeter a um tratamento alternativo à quimioterapia.
Connah Broom, da cidade de Flintshire no País de Gales tinha 11 tumores e a quimioterapia apresentava poucos resultados.

Mas após se submeter ao tratamento, conhecido como terapia fotodinâmica e que custou mais de 200 mil libras (equivalentes a cerca de R$ 560 mil), resta ainda apenas um dos tumores.
Seu médico descreve seu estado físico como impressionante e sua família diz que ele está bem.
A avó, Debbie Broom, explicou que após a quimioterapia e outros tratamentos tradicionais terem sido descartados, a família começou a procurar outras formas de combate ao câncer raro, conhecido como neuroblastoma, uma doença que afeta cerca de 80 crianças na Grã-Bretanha anualmente.
Em 2007, eles ouviram falar de uma clínica privada no México que oferecia o tratamento de terapia fotodinâmica.
O tratamento usa laser, e outras fontes de luz, combinado com um medicamento que reage à luz (chamado de agente fotossensível) para destruir células cancerígenas.
Em alguns países, como na Grã-Bretanha, a técnica é usada para o tratamento de algumas formas de câncer, como o de pele.
O garoto se submeteu a um tratamento intensivo de duas semanas no México, segundo a avó.
Ele prosseguiu então com a terapia em casa, onde mora com os avós e o pai.

Resultados

Agora, após quatro anos, Debbie diz que os 10 tumores secundários do neto se foram.
"Estamos lutando e Connah também. Ele está se saindo muito bem", diz ela.
Ele ainda tem o tumor primário em seu abdômen e se submete a sessões de duas horas de tratamento, quatro dias por semana.
O garoto também frequenta uma escola em período integral, toca teclado, canta, dança e gosta de jogar futebol e fazer ginástica.
A avó está convencida de que o tratamento, aliado a uma dieta orgânica, é o segredo do sucesso do neto.
No entanto, o médico de Connah, Eamonn Jessup, não sabe se o tratamento surtiu efeito ou foi seu corpo que combateu o câncer.
"Seu estado é impressionante”, diz ele. "É realmente inexplicável que a maioria dos tumores tenha desaparecido."
"Não sei se é por causa do regime seguido ou do tratamento", finaliza.
A avó diz que a família continuará com o tratamento até que o último tumor desapareça.

SOBRE A TERAPIA FOTODINÂMICA:


A Terapia Fotodinâmica visa a destruição localizada do tecido

vivo anormal mediante sua necrose ou inviabilização, assim

como também a desativação de vírus, destruição de bactérias e

fungos

3,6,8,19-54,57,59,88,93. O tratamento se inicia após um período

de espera, após a administração ao paciente de um corante fotosensitizador

(o agente fototerapêutico), usualmente por injeção

intravenosa. Após esse tempo de espera, quando a concentração

do corante atinge o seu máximo no tecido lesado, procede-se à

exposição do tumor à radiação visível de comprimento de onda

adequado para a excitação do agente fototerapêutico
3,6. A radiação geralmente fornecida por um laser, é dirigida ao local do

tratamento empregando-se um feixe de fibras ópticas.

A terapia fotodinâmica se refere ao uso terapêutico de reações fotoquímicas. Envolve o uso de uma droga fotosensibilizante, ALA-5 - Aminolevulinic - Ácido Amino Levulínico HCl ? solução tópica a 20%. O ALA ao se impregnar no tecido, capta a irradiação de uma luz concentrada e direcionada para a área a ser tratada, que vai provocar a destruição do tecido desta área. É feita aplicação de luz azul ou Luz Intensa Pulsada e há conseqüente produção de oxigênio singlete que provoca a destruição do tecido.

As aplicações do ALA, além do tratamento do câncer cutâneo, incluem:

  • Tratamento das Ceratoses Actínicas, Acne Vulgar Moderada a Severa e Resurfacing (rejuvenescimento)
  • Tumores cutâneos: é a utilização mais antiga da técnica. O tratamento elimina em apenas 1 aplicação de 80 a 100 % das ceratoses actínicas, e dos carcinomas espino e basocelulares superficiais.
  • Ceratose actínica: são lesões consideradas pré-malignas, isto é, predispõem o aparecimento do cãncer cutâneo.
  • Acne: devido a sua atuação nas glândulas sebáceas e na bactéria responsável pela inflamação , esta terapia consegue diminuir em 60 % a acne inflamatória, num período de 1 mês, após 2 a 4 sessões semanais, sem utilização de nenhum medicamento convencional para o controle desta doença e sem efeitos colaterais.
  • Rejuvenescimento: a terapia fotodinâmica diminui sensivelmente as ceratoses, as sardas e os pequenos vasos sanguíneos dilatados na pele (telangiectasias). É feita a aplicação do ALA pelo menos 2 horas antes da aplicação da luz ou do laser. O aparelho mais utilizado é a luz intensa pulsada . Ocorre vermelhidão na área, com posterior formação de crostas, que irão se desprender no período de 3 a 4 dias, junto com uma descamação importante da pele. Cada sessão deve ser feita com intervalo de 1 mês e o tratamento equivale a 3 sessões da luz intensa pulsada sem ALA. A melhora da aparência começa a aparecer a partir da segunda sessão.
Conclusão:
Assim, a terapia fotodinâmica é mais uma boa técnica no arsenal de tratamentos que usam aparelhos para o controle das diversas doenças da pele, diminuindo a necessidade do uso de medicamentos e o índice de efeitos colaterais e, ao mesmo tempo, visando a facilitar a vida dos indivíduos. Além disso, a terapia fotodinâmica constitui hoje a maior arma do oftalmologista no tratamento da degeneração macular da retina. Apesar do número elevado de recidivas e das necessidade de novo tratamento é a terapia fotodinâmica o primeiro tratamento efetivo que consegue a preservação do tecido retiniano. Essa possibilidade abre caminhos para novos modos terapêuticos ainda em pesquisa como as drogas antiangiogênicas que poderão, em um futuro próximo e em associação com a terapia fotodinâmica representar um tratamento de melhores resultados para as lesões degenerativas maculares.
Flávia Aparecida Pereira do SBCD (Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica)

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/12/111201_meninocancer_rc.shtml

http://www.scielo.br/pdf/%0D/qn/v23n2/2124.pdf

http://www.sbcd.org.br/procedimentos.php?id=599

Nenhum comentário: