sábado, 29 de maio de 2010

vocë já ouviu falar de Henrietta Lacks ?

Livro
O papel de Henrietta Lacks na medicina moderna
Como as células de uma mulher foram fundamentais nos estudos sobre a célula do câncer

O livro “The Immortal Life of Henrietta Lacks”, de Rebecca Skloot, conta a história de Henrietta Lacks, uma agricultora que morreu de câncer cervical em 1951, e desde então tem suas células utilizadas para o estudo e cultivação de câncer in vitro. Os cientistas queriam observar como as células se dividiam e multiplicavam, para entender como elas diferem das doenças normais e como tudo pode ter começado. As células sobreviviam por algum tempo, mas sempre definhavam, até a chegada de Lacks. As células de seu tumor, de acordo com o assistente do laboratório, cresciam em grande velocidade. Suas descendentes ainda estão crescendo.
Lacks, negra, pobre e com 31 anos, morreu na cidade de Maryland. Ela foi tratada no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore. Os filhos, que doavam sangue para os pesquisadores, pensavam que estavam sendo tratados de um câncer hereditário. Na verdade, eles faziam parte de um importante estudo de cientistas, para entender uma das mais importantes linhagens de célula. A identidade da mãe tornou-se pública, assim como seu DNA. Pobres e com dificuldades financeiras, os filhos lutaram para comprar os medicamentos que sua mãe ajudou a desenvolver.

Henrietta Lacks para os pesquisadores pode ter apenas um papel importante na pesquisa, mas para nós aqui, sabemos que ela foi lutadora e até o fim e vítima também porque se aproveitaram de seus filhos para fazerem pesquisas, sem falar a verdade com eles.

Os médicos e pesquisadores deveriam falar a verdade quando estão fazendo pesquisas com os pacientes, pois eles tem o direito de saber a verdade.

Nenhum comentário: